segunda-feira, dezembro 28, 2009

Indícios do fim de um ciclo


Recuos, perda da liderança na agenda política, excessiva encenação, sucessivas desautorizações e dissonância entre as propostas apresentadas e as prioridades de um país, são indícios do fim de um ciclo político. Dois meses volvidos sobre a tomada de posse, estes indícios são visíveis na governação socialista.
Suspensões, modificações, revogações de medidas tomadas ou acerrimamente negadas na anterior legislatura, são marcas do XVIII Governo Constitucional. Suspendeu o regime de actualização do indexante dos apoios sociais, modificou o prazo de acesso ao subsidio de desemprego, revogou as taxas moderadoras na saúde, avançou com a reprivatização do BPN, interrompeu o regime de avaliação dos professores, recuou no alargamento da concessão do terminal de contentores de Alcântara, suspendeu a intenção de tornar obrigatória a colocação de chips nas matriculas, etc …
Nos últimos tempos, foram os partidos da oposição que marcaram a agenda da política nacional, enveredando o Governo e o PS, pela artificial dramatização da vivência democrática, apelando primeiro, à intervenção do Presidente da República, depois censurando-o ante a sua recusa em comentar uma proposta concreta do executivo.
Somam-se as desautorizações públicas, algumas roçando a humilhação.
Ricardo Rodrigues, vice-presidente do grupo parlamentar do PS, desafia Cavaco Silva a intervir preventivamente, invocando estar em causa o regular funcionamento das instituições democráticas, facto prontamente desmentido por Francisco Assis, líder da bancada socialista.
Augusto Santos Silva, Ministro da Defesa, anuncia o reforço da presença portuguesa no Afeganistão, passando de 100 para 260 militares, depois de Luís Amado, Ministro dos Negócios Estrangeiros, o ter negado.
Teixeira dos Santos, Ministro das Finanças, insurge-se na Assembleia da República contra o “regabofe” e o “desvario financeiro” do Governo Regional da Madeira, para logo de seguida a bancada do PS viabilizar um novo empréstimo de 79 milhões a contrair pelo mesmo Governo Regional.
Finalmente, enquanto desesperam com a crise e aguardam pelo avanço de medidas ajustadas ao seu combate, os portugueses assistem perplexos a algumas das prioridades do executivo ou do PS, como seja o casamento dos homossexuais, a regionalização ou o referendo à limitação dos mandatos nas autarquias locais.
É difícil governar em períodos de crise, é difícil governar sem se ter beneficiado de um período de "estado de graça", é difícil governar em maioria relativa e mais difícil num sistema politico como o português, onde os poderes do governo são mais limitados que noutros países, mas estas dificuldades não podem justificar tamanha desorientação num governo com apenas dois meses de vida.
Foto retirada daqui.

Sem comentários: