sábado, fevereiro 25, 2006

AZIMUTE - Polémica longe de fim

.
A concelhia socialista famalicense, quase quatro anos depois volta a ter uma liderança escolhida pelos militantes. A polémica iniciada há dois meses não terminou, porém, no passado sábado e ficam por responder ainda muitas interrogações. Nuno Sá, o novo líder local, foi eleito com 526 votos. Um resultado pouco estimulante. Menos 85 votos que os alcançados por Fernando Salgado na conhecida “Eleição da Roulote” e muito longe do milhar de militantes que alega terem subscrito o abaixo-assinado que condenou aquele acto de rua. O facto de se tratar de lista única e o mau tempo que assolou o fim-de-semana não chega para justificar tudo. Há também quem se interrogue para onde foram parar os anteriores 611 votos de Fernando Salgado? Porque não votaram em branco, no passado sábado, como forma de contestação à dita “eleição ilegítima”? Será que redundaram nos 10 votos brancos que agora entraram nas urnas ou apenas terão respondido afirmativamente ao apelo de não participação imputado a um grupo de apoiantes da lista de Fernando Salgado? Conseguirá Nuno Sá afastar a imagem de “mero agente” de Fernando Moniz, como afirmam os seus opositores? Responderá ao desafio lançado por Fernando Salgado, tornando público o abaixo-assinado contendo o alegado milhar de assinaturas ou optará pelo risco de ser visto como tendo faltado à verdade? Poderá inferir-se da sua garantia de não exclusão nem de discriminação de militantes, um apelo futuro aos órgãos superiores do partido para deixarem de fazer aquilo que antes solicitara (“uma actuação disciplinadora clara”), sobre os responsáveis pela “eleição fantasma” de Dezembro? O último acto público conhecido de Fernando Salgado também não parece ter sido muito animador. Ao jantar que convocou, para reagir ao teor do parecer do Conselho Nacional de Jurisdição do PS que confirmou a irregularidade da lista que encabeçava, motivo da sua exclusão, não conseguiu sequer reunir metade dos 93 elementos que a integravam. No ar ficaram também muitas interrogações. Porquê substituir uma expectável conferência de imprensa, por uma simples declaração, deixando os convocados jornalistas sem direito a perguntas? Não é para isso que, em boa medida, servem os comunicados? Porque razão centrou as críticas na pessoa do Presidente da Federação Distrital, cuja decisão foi avalizada positivamente por um órgão nacional da estrutura partidária? Será que pretendeu, indirectamente, dizer que o Conselho Nacional de Jurisdição é um órgão “fantoche” ao ponto de ser controlável por um órgão hierarquicamente inferior? Irá, porventura, recorrer judicialmente daquela decisão tanto mais que afirmou que teria de ser um órgão independente e imparcial a declarar a derrota da Lista que liderava? Irá Fernando Salgado e os seus principais apoiantes, renunciar ou suspender a militância, como já o fez Ivo Sá Machado, ao afirmar que não quer ser confundido com os dirigentes concelhios e federativos ou servirá a ausência de critica aos órgãos nacionais para justificar a manutenção dessa mesma militância? Muitas dúvidas, muitas interrogações, poucas respostas possíveis no momento numa polémica que tudo indicia estar ainda longe do seu término. Artigo de Opinião publicado no semanário “Opinião Pública”, edição de 24 de Fevereiro de 2006

Jovens Artistas Jovens

.
Paulo Brandão (Director da Casa das Artes), Leonel Rocha (Vereador da Cultura), Armindo Costa (Presidente da Câmara Municipal) e Jorge Paulo Oliveira, durante a conferência de imprensa
A Câmara Municipal, apresentou na passada sexta-feira, dia 17 de Fevereiro, em conferência de imprensa, o Projecto ‘Jovens Artistas Jovens’. Trata-se de uma iniciativa nacional, liderado pelo Centro Cultural de Belém, de Lisboa, e que no concelho de Vila Nova de Famalicão será promovido pela Casa das Artes, resultado de uma ideia já existente noutros países europeus e que pretende, em termos gerais, apoiar os jovens artistas, apurando um conhecimento da sua real situação e integrando-os em estruturas culturais a nível nacional. Na conferência de imprensa que decorreu no café-concerto da Casa das Artes, marcaram presença, para além de Armindo Costa, Presidente da Câmara Municipal, os vereadores da Cultura e da Juventude, Leonel Rocha e Jorge Paulo Oliveira, respectivamente, e o director da Casa das Artes, Paulo Brandão. “Este projecto surge de uma necessidade fundamental de conhecer o terreno em profundidade e de saber quem são os artistas jovens que existem no país, que projectos têm eles, que dificuldades enfrentam e que possibilidades existem de os colocar na cena artística nacional e internacional”, referiu o presidente da Câmara, acrescentando que “perante objectivos tão actuais, o município de Vila Nova de Famalicão não poderia ficar afastado de um projecto tão ambicioso e tão genuíno”. Neste sentido, Armindo Costa assinalou que “um dos objectivos do pelouro da Cultura, a par do trabalho desenvolvido pela Casa das Artes, é precisamente criar condições para que os jovens famalicenses desenvolvam os seus projectos nas diversas áreas artísticas, um desígnio que coincide com os objectivos cimeiros do Projecto ‘Jovens Artistas Jovens’”, salientou. A adesão do Município de Famalicão e da Casa das Artes ao Projecto “Jovens Artistas Jovens” “honra a política cultural da Câmara de Famalicão, pois constitui mais uma oportunidade para promover a livre expressão artística dos nossos jovens”, salientou ainda o autarca, explicando que “a presença de Famalicão neste projecto tem todo o sentido quando temos uma Casa das Artes que é um espaço cultural de referência nacional e mesmo internacional”. Armindo Costa aproveitou ainda a oportunidade para referir alguns exemplos de iniciativas municipais que seguem as mesmas linhas deste projecto nacional, como a Mostra de Teatro Amador, a Semana da Juventude, a Festa do Associativismo e Juventude, o Festival da Canção Infanto-Juvenil, o apoio à edição de livros, o Projecto das Maletas Pedagógicas, os Ateliers de Construção de Instrumentos, os Ateliers de Escrita Criativa, os Concursos de Cinema e Vídeo, os Concertos Pedagógicos, etc... O projecto “Jovens Artistas Jovens” pretende, acima de tudo, conhecer quem são os artistas jovens que existem no nosso país, que projectos têm, que dificuldades enfrentam e que possibilidades existem de os colocar na cena nacional e internacional. Não basta, por isso, elaborar projectos que tenham como objectivo final a entrega de um prémio, pois a iniciativa não prevê qualquer recompensa pecuniária, sendo mais producente oferecer a possibilidade de um acompanhamento gradual do trabalho artístico e ainda a sua produção. O projecto ”Jovens Artistas Jovens” tem como objectivo final a produção de três trabalhos artísticos apresentados por jovens e apoiados, ao longo de um ano, por várias estruturas nacionais e por inúmeros artistas. Os trabalhos devem ser apresentados até dia 31 de Março. Podem ser apresentados trabalhos na área das artes do palco, desde teatro, dança, teatro de marionetas, teatro de objectos, novo circo, e outros projectos que se façam valer destas linguagens artísticas e também de projectos que se destinem ao público jovem. Os interessados podem consultar mais informações em www.ccb.pt. Para Armindo Costa, “independentemente do número de candidaturas que venham a ser apresentadas ao projecto vale a pena destacar, desde já, uma vitória antecipada da Câmara de Famalicão, baseada no trabalho em rede da Casa das Artes com instituições culturais portuguesas de grande mérito”.

Boletim Jovem Municipal

.
Visita à Rádio da Escola D. Sancho I
Uma revista feita por jovens e para jovens. A notícia foi divulgada por Jorge Paulo Oliveira, Vereador da Juventude, aos alunos da Escola D. Sancho I, no âmbito da visita "Ponto de Encontro”. O Boletim Jovem Municipal que a autarquia pretende editar, será uma publicação de periodicidade semestral, destinada a divulgar as iniciativas, os projectos e as actividades das associações de estudantes e das associações juvenis do concelho, onde o corpo editorial, os textos e a concepção gráfica terá uma fortíssima participação dos jovens, disponibilizando a Câmara Municipal os seus recursos humanos, técnicos e financeiros, quer na edição, quer na distribuição da revista.

Cartão Jovem Municipal renovado

.
Alunos da Escola Secundária D. Sancho I
Os jovens famalicenses vão ter ao seu dispor um renovado Cartão Jovem Municipal. A novidade foi avançada pelo vereador da Juventude da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Jorge Paulo Oliveira, durante o encontro com a Associação de Estudantes da Escola D. Sancho I, ocorrido no passado dia 13 de Fevereiro. Dando sequência à experiência piloto do Cartão Jovem Municipal, este assumirá a natureza do Cartão Jovem Co-Branded, aglutinando num só documento todos os benefícios e vantagens do Cartão Jovem Nacional (Cartão Jovem Euro<26) com o Cartão Jovem Municipal. Com esta nova modalidade, os jovens famalicenses vêem acrescer às habituais vantagens do cartão municipal, a possibilidade de usufruir com o mesmo cartão, as regalias previstas a nível nacional. O Cartão Jovem Euro<26 é uma iniciativa de âmbito nacional e forte vocação europeia, que proporciona aos jovens dos 12 aos 26 anos (exclusive), um conjunto de vantagens tais como descontos, reduções, isenções ou serviços exclusivos, prestados por empresas públicas ou privadas, autarquias e associações. O cartão Euro<26 é utilizado em mais de 31 países da Europa, com 3.000.000 de portadores e 200.000 empresas aderentes. O portador de um Cartão Jovem Euro<26 beneficia, em qualquer um destes 31 países aderentes, das mesmas vantagens que neles usufruem os seus portadores nacionais.

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

"PONTO DE ENCONTRO" nas Escolas Camilo Castelo Branco e D. Sancho I

.

Escola Camilo Castelo Branco

Escola D. Sancho I
A Câmara Municipal esteve de visita, nos dias 6 e 13 de Fevereiro, às Escolas Camilo Castelo Branco e D. Sancho I, no âmbito da iniciativa intitulada "Ponto de Encontro" organizada pelo pelouro da Juventude. As visitas que contaram com as presenças de Jorge Paulo Oliveira, Vereador da Juventude e Leonel Rocha, Vereador da Educação, tiveram por objectivo criar uma maior proximidade da autarquia junto do movimento estudantil do concelho, tomar conhecimento dos projectos, iniciativas e das dificuldades das respectivas Associações de Estudantes e em simultâneo, divulgar as medidas em curso do município em matéria de politica de juventude.

terça-feira, fevereiro 21, 2006

Câmara vai instalar radares de controle de velocidade

.
A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai instalar radares de controle de velocidade em algumas das principais vias rodoviárias que atravessam a cidade. A adopção desta medida de acalmia de tráfego tem por objectivo aumentar os padrões de segurança rodoviária, sem as desvantagens conhecidas de outras medidas de que são exemplo as soluções semafóricas ou a colocação de lombas redutoras de velocidade. As primeiras pelos efeitos negativos que, por vezes, acarretam à desejável fluidez da circulação rodoviária. As segundas pelo excesso de ruído e trepidação que provocam nas habitações situadas nas imediações, sem esquecer as dificuldades criadas a ambulâncias e os riscos que potencia quanto aos doentes ou sinistrados socorridos. A colocação de radares de controle de velocidade, incorporando as novas tecnologias e que tenham como consequência o levantamento de autos de contra-ordenação para quem não cumpre o Código da Estrada é a solução que obstando aqueles aludidos inconvenientes, resolve mais eficazmente os problemas da falta de segurança rodoviária, em algumas artérias da cidade, com as conhecidas e comprovadas vantagens em termos ambientais. Trata-se de uma medida bem mais dispendiosa que as alternativas citadas, mas é um preço que deve ser pago, em nome da segurança. Convém nunca esquecer que a tendência geral é para se circular a mais de 70 quilómetros dentro das cidades e a esta velocidade um atropelamento dá morte certa. As artérias escolhidas pela autarquia são as movimentadíssimas Avenidas Dr. Carlos Bacelar, General Humberto Delgado, 9 de Julho e Avenida de França. O processo está ainda numa fase embrionária, com a consulta informal a diversas empresas que prestam serviços, fabricam e comercializam este tipo de equipamentos. A data provável para a sua colocação será o final do corrente ano. A novidade foi avançada, na Escola Secundária Camilo Castelo Branco, no passado dia 6 de Fevereiro, no decorrer da iniciativa “Ponto de Encontro” que reuniu os vereadores Jorge Paulo Oliveira (Juventude) e Leonel Rocha (Educação) com a Associação de Estudantes e Delegados de Turma, daquele estabelecimento. FOTO: Semanário “Opinião Pública”, edição de 09.02.2006.

domingo, fevereiro 19, 2006

AZIMUTE - Aposta sem Futuro

. Apostar no descrédito do sistema partidário ou, pelo menos, na falta de credibilidade dos principais partidos, é uma aposta sem futuro. Muitos têm sido aqueles que procuram centrar a sua intervenção pública na falta de credibilidade na classe de agentes políticos. Outros foram mais longe e tentaram mesmo mostrar que a população não encara os políticos como gente séria. A prática tem revelado, no entanto, que os dividendos são escassos para todos aqueles que prosseguem este tipo de intervenção. Mesmo ao nível de eleições autárquicas. Os partidos políticos, sendo o principal suporte da democracia, são absolutamente imprescindíveis na actividade política, como escrevia Henrique Monteiro, na edição do “Expresso” da passada semana: “Por todo o mal que se possa dizer dos partidos – e muito há a dizer, certamente –, jamais se viu uma sociedade livre que não assentasse a sua existência numa democracia pluripartidária. Terá todos os defeitos do mundo, mas tem uma virtude que supera largamente esses defeitos: a nossa liberdade como indivíduos”.
Tal não significa que não haja lugar, fora das estruturas partidárias, para iniciativas políticas da sociedade civil, para os movimentos cívicos. Pelo contrário, são sempre bem vindos. Não há democracia sem partidos, mas ela não é propriedade dos partidos. O que não há lugar, ou pelo menos estarão condenados ao fracasso, são os movimentos cívicos como aquele que alguns dos apoiantes de Manuel Alegre se apressaram a criar. Primeiro, porque ao não prosseguir uma causa específica, mas antes uma causa geral, não é um movimento cívico, mas antes um verdadeiro movimento partidário. Segundo, porque tem na sua génese, ainda que encapotadamente, uma aposta no descrédito do sistema partidário. Esta é uma aposta que já foi tentada no passado, nos anos 80, mas o partido que então surgiu à sombra dessa bandeira acabou, em poucos anos, por desaparecer da cena política. Artigo publicado no semanário “Opinião Pública”, edição de 9 de Fevereiro de 2006.

sábado, fevereiro 18, 2006

Troféu Nacional de Trial Indoor

.
Cerca de mil e quinhentas pessoas assistiram, no passado fim-de-semana, à segunda jornada do Troféu Nacional de Trial Indoor, que decorreu no Pavilhão Municipal de Vila Nova de Famalicão. Num percurso constituído por cinco zonas "normais" – concebidas com recurso a pneus, manilhas de cimento, pedras, bobines em madeira e caixas metálicas gigantes –, uma zona "paralela" e uma de "salto em altura", o piloto André Garcia impôs a sua autoridade, saindo vencedor do Troféu. André Garcia começou o seu domínio logo na primeira volta, que apurou três pilotos para uma última ronda e classificou os restantes. Garcia obteve então 6 pontos, contra 11 de Pedro Maia e 14 de João Sousa, que confirmou o apuramento na derradeira zona, a "paralela", onde entrou empatado com João Ribeiro que somou mais um ponto e acabou com 15. Mais distante, com 21 pontos, ficou o quinto classificado, João Vigário, seguido de Daniel Sousa, com 22 pontos e Nuno Santos, com 27, que fecharam a tabela classificativa. Os três qualificados para a ronda final enfrentaram os obstáculos em sentido contrário, e André Garcia voltou a demonstrar supremacia, obtendo apenas a penalização máxima, 5 pontos, numa zona onde os seus rivais não tiveram melhor desempenho. Garcia totalizou 9 pontos, contra os 14 de João Sousa, segundo classificado, e os 23 pontos de Pedro Maia. Após as duas jornadas, Paços de Ferreira e Famalicão, o Troféu é liderado por André Garcia, da equipa “Gas Gás”, com 20 pontos; seguido de Pedro Maia, da “Sherco”, com 14; João Sousa da “Scorpa” é terceiro, com 11 pontos; o quarto posto é ocupado por João Ribeiro, da equipa “Beta”, com 10 pontos; Daniel Sousa, da "Scorpa” é quinto, com 9; e o sexto posto da tabela é partilhado por Nuno Santos, da “Montesa” e João Vigário, da equipa “Gas Gás”, com 6 pontos. Esta segunda prova do Troféu Nacional de Trial Indoor, foi organizada pela Federação Nacional de Motociclismo (FNM) e pela “No Limite”, promotor ligado aos desportos radicais, com o apoio da Câmara Municipal. A autarquia esteve ao lado do evento “na sequência de uma política de promoção do desporto e neste caso, dos desportos motorizados, que no concelho reúnem muitos aficionados”, salientou o vice-presidente do município, Jorge Paulo Oliveira. A possibilidade do Trial voltar a Famalicão está em aberto, a cidade pode ser um novo “palco” à luz dos objectivos da promoção da modalidade, referiu Rui Castro, da Comissão do Trial da FNM.

sábado, fevereiro 04, 2006

Câmara marca "Ponto de Encontro" na Escola

.
A Câmara Municipal inicia na próxima segunda-feira, 6 de Fevereiro, pelas 14h00, na Escola Camilo Castelo Branco, a primeira visita da iniciativa intitulada "Ponto de Encontro" organizada pelo pelouro da Juventude e destinada a criar uma maior proximidade da autarquia junto do movimento juvenil do concelho. Numa primeira fase da iniciativa, que irá decorrer entre Fevereiro e Abril, o vereador da Juventude, Jorge Paulo Oliveira, irá visitar os movimentos estudantis do concelho, sendo que posteriormente a iniciativa será alargada a todas as associações juvenis famalicenses. Para além de Jorge Paulo Oliveira, esta primeira visita de trabalho à Associação de Estudantes da Escola Camilo Castelo Branco irá contar com a presença do vereador da Educação, Leonel Rocha. Entre os diversos temas a abordar com os estudantes, o vereador da Juventude tem em agenda conhecer os projectos, iniciativas e as dificuldades da Associação de Estudantes e divulgar as medidas em curso da autarquia, designadamente as Bolsas de Estudo; a elaboração do Regulamento de Apoio às Associações; os benefícios do Cartão Jovem Municipal; as políticas para Juventude promovidas pelo município e ainda a temática da Universidade Júnior.

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

Habitação - Novo polidesportivo avança em Antas

.
Alcino Cruz (Presidente da Junta de Freguesia de Antas), Cristiano Silva (Empreiteiros Casais, S.A.) Armindo Costa (Presidente da Câmara Municipal) e Jorge Paulo Oliveira, durante a assinatura do Auto de Consignação.
.
.
A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai avançar com a construção de um novo recinto polidesportivo, no Loteamento Municipal Joaquim Malvar, um complexo habitacional que agrega cerca de 100 famílias, no lugar de Pinheiral, freguesia de Antas. A obra, que deverá arrancar já na próxima semana, foi entregue à empresa Empreiteiros Casais, S.A, pelo valor de 124.241,208 euros, tendo um prazo de execução previsto para três meses. O auto de consignação da obra foi assinado esta sexta-feira, 3 de Fevereiro, numa cerimónia que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho e contou com as presenças do presidente da Câmara Municipal, Armindo Costa, do vereador da Habitação, Jorge Paulo Oliveira, do presidente da Junta de freguesia de Antas, Alcino Cruz e do representante da empresa Empreiteiros Casais, SA, Cristiano Silva. Na sua intervenção, Armindo Costa salientou a importância da construção deste espaço polidesportivo "para as famílias que residem no loteamento do Pinheiral, mas também para toda a população desta zona da freguesia de Antas, que se encontra em franco crescimento". Para o autarca este "é mais um investimento no Desporto e na Juventude famalicense". Lembrando que "em apenas quatro anos, a Câmara Municipal já construiu dez novos polidesportivos no concelho e proporcionou o melhoramento de muitos outros parques desportivos espalhados pelas diversas freguesias", Armindo Costa referiu que "a construção de zonas de lazer e desportivas próprias dos loteamentos habitacionais tem sido uma das principais preocupações da autarquia, na prossecução de uma política de melhoria continuada dos conjuntos habitacionais públicos da directa responsabilidade do município". Neste âmbito, através do Programa Municipal “Mudar de Casa, Mudar de Vida”, a Câmara Municipal já construiu polidesportivos no Loteamento da Quinta do Passal (Avidos), na Urbanização da Cal (Calendário), na Urbanização “Moinhos de Vento” (Fradelos) e avançou com a renovação e beneficiação do polidesportivo das Lameiras (Antas), estando ainda prevista a construção de um equipamento desportivo na Urbanização das Austrálias (Requião). A finalizar, Armindo Costa relembrou que "a nossa meta é disponibilizar um pavilhão gimnodesportivo para cada dez mil habitantes, pelo menos um polidesportivo em cada freguesia e uma piscina por cada 20 mil habitantes. Estamos a trabalhar nesse sentido!", concluiu.