sexta-feira, agosto 03, 2007

Urbanização das Bétulas

.



A Câmara Municipal aprovou na sua última reunião, 25 de Julho, o projecto e a respectiva abertura de concurso público, visando a construção de 30 fogos a custos controlados.

Denominada de “Urbanização das Bétulas”, o novo complexo de habitação social do município, destina-se a receber as famílias de etnia cigana alojadas em barracas, junto à Estação de Caminhos-de-Ferro.
.

Com este empreendimento o executivo camarário prossegue simultaneamente objectivos de natureza social, urbanística e de mobilidade: realojar dezenas de famílias de etnia cigana que desde 1974, e com carácter provisório, se encontram a residir em condições de gritante degradação junto à estação ferroviária, que servirá, ao mesmo tempo, como ponto de partida de um importante processo de requalificação urbanística da zona poente da cidade e permitirá reunir as condições para se iniciar a construção do interface- rodoferroviário, infra-estrutura em falta e indispensável para tornar o transporte ferroviário no concelho cada vez mais atractivo para todas as camadas sociais e económicas.
.

O projecto agora aprovado é substancialmente diferente do anteriormente apresentado, mas continua a dar resposta às mesmas preocupações: atender às necessidades sociais específicas destes agregados familiares e às raízes culturais das famílias de etnia cigana.

Por essas razões, no novo projecto:

  • A edificação dos diferentes blocos habitacionais respeita a unificação dos diferentes agregados em torno dos três ramos familiares actualmente existentes no “bairro” – As Famílias de Lelo, Maximina e Amparo;
  • A compartimentação dos fogos é dimensionada de forma a privilegiar a convivência familiar muito própria da comunidade cigana, apresentando-se com salas amplas e cozinhas incorporadas;
  • As tipologias programadas levam em linha de conta a composição de cada um dos agregados familiares;
  • Procura-se, com a criação de diferentes superfícies de estadia e de enquadramento, evitar a criação de situações de “guetização”;
  • Não se descura o acompanhamento social permanente ao prever a utilização de dois pisos de um dos blocos, para o trabalho de assistência social e de animação sócio-cultural.

Sem comentários: