quinta-feira, novembro 05, 2009

Pela Paz e a Não-Violência

A Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência passou ontem por Vila Nova de Famalicão, uma das dez cidades portuguesas que aderiram à iniciativa. A Marcha que começou no dia 2 de Outubro, Dia Internacional da Não-Violência, em Wellington, Nova Zelândia, percorrerá ao longo de três meses, mais de 100 locais nos cinco continentes, contando com a participação directa de mais de um milhão de pessoas. O término está previsto para dia 2 de Janeiro de 2010, no sopé do Monte Aconcágua, Punta de Vacas, Argentina.

"A Marcha Mundial tem como objectivo principal a criação de uma consciência global de que a paz é o único caminho para podermos avançar e que hoje em dia é necessário acompanhar a paz com a metodologia da não-violência, para que possamos realmente passar para uma nova fase da Humanidade".

Olhando para os dados estatísticos constantes em relatórios elaborados por diversas organizações internacionais como a ONU, a UNICEF e a OMS, forçosamente se concluirá que não há, seguramente, causa mais importante para Humanidade, do que a Paz e Não Violência, em todo o Planeta.

Mais, uma breve reflexão sobre estes mesmos números, conduz-nos a sentimentos de estremecimento e arrepio. Talvez o homem seja, como afirmou Fernando Pessoa “um animal irracional, exactamente como os outros”, com a única diferença de que “os outros são animais irracionais simples, o homem é um animal irracional complexo”.

Mais de 2.000 mil pessoas morrem por dia, vítimas da violência armada que grassa um pouco por todo o mundo. Entre Dezembro de 2006 e Agosto de 2009, um total estimado de 2,1 milhões de pessoas sucumbiu como resultado directo ou indirecto de conflitos armados. No mesmo período outras dezenas de milhões ficaram feridas. Mais de 1 bilhão de crianças vivem em regiões afectadas por conflitos armados, 18 milhões foram deslocadas, enquanto mais de 250.000 foram recrutadas por grupos armados!

Os anos de 2008 e 2009 ficam marcados por uma grave crise económica e financeira à escala mundial mas, mesmo assim, as despesas militares cresceram 4%, chegando praticamente aos 1.500 biliões de dólares.

Um milhão de menores (três mil ao dia) foram introduzidos no mercado do sexo e em 2008, 150 milhões de meninas e 73 milhões de meninos foram abusados sexualmente em todo o mundo.

53 mil crianças, é a média anual de mortes por homicídio e duas em cada três crianças no mundo sofrem castigos corporais.

Entre 500 milhões e 1,5 bilhão são vítimas anualmente de algum tipo de violência, sendo que 1 milhão de crianças estão presas no mundo. Entre 133 milhões e 275 milhões de crianças são vítimas ou testemunhas de violência em casa.

Cerca de 6 milhões de crianças morrem a cada ano pela fraqueza de seu sistema imunológico causada por fome e desnutrição, o que as torna incapazes de superar doenças infecciosas curáveis, como diarreia, sarampo e malária.

Todos os dias, mais de 850 milhões de pessoas vão se deitar com fome. Entre elas, 300 milhões são crianças. A cada cinco segundos, uma delas morre de fome.

Estima-se que existem 158 milhões de crianças menores de 15 anos vítimas de trabalho infantil em todo o mundo e que mais de 100 milhões, quase 70 por cento da população laboral infantil, trabalham na agricultura em áreas rurais onde o acesso à escola e ao material educativo é muito limitado.

Poderíamos continuar …

A Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência, nada irá resolver, é certo. Os seus organizadores e participantes sabem-no. Apenas e tão só pretendem com esta iniciativa simbólica despertar as consciências, para acabar com esta forma de relação humana que é a violência, quer seja económica, racial, sexual, religiosa ou geracional, escondida ou disfarçada.

Da mesma forma que há alguns anos se impulsionou outro tipo de consciências, como a da conservação do meio ambiente, é tempo de gerar uma cultura não violenta que possa abrir caminho a condições verdadeiramente humanas em todo o mundo.

1 comentário:

Manuela Araújo disse...

Mas não será que despertar consciências não é um primeiro passo para que se possa resolver? É como comparar o primeiro metro num viagem de milhares de quilómetros, mas sem esse primeiro metro percorrido, a viagem não se faz.

Aproveito para lembrar que está a decorrer uma petição contra a fome organizada pela FAO, para dar voz a quem acha inaceitável que vivam mais de mil milhões de pessoas em situação de fome crónica e que morra uma criança de fome por cada 6 segundos. O objectivo é levantar essa voz antes da Cimeira Mundial para a Segurança Alimentar, que decorrerá em Roma no próximos dias 16 a 18 de Novembro. Pode assinar aqui.
Um abraço.